OBRIGADO.

Seu cadastro foi realizado com sucesso.

    Inscrição no blog

    Cadastre-se para receber noticias e novidades sobre o Professor Walter Vicioni Gonçalves, diretamente em seu email.



Blog do Professor Walter Vicioni Gonçalves

Artigo: As relações possíveis entre o livro e a Educação

Publicado em 15 de julho de 2016 - 17:41h

Leiam o meu artigo inspirado na 16ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto e que foi publicado na Revista Abigraf – Edição maio/junho 2016 

Revista AbigrafUm país se faz com homens e livros, escreveu Monteiro Lobato. E com boa educação. Foi exatamente sobre o tema “As relações possíveis entre o livro e a Educação” que fui convidado a falar no encerramento da 16ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, que aconteceu de 11 a 19 de junho último. Acredito que tal convite tenha decorrido do trabalho que realizo, desde 1970 no SENAI e no SESI. Ao todo, são 337 escolas e duas editoras na minha vida.

Mais do que a oportunidade de venda de livros, tal Feira permite o congraçamento de escritores brasileiros e estrangeiros, que lançam seus livros e participam de sessões de autógrafos e de bate-papos com seus leitores. A cada edição, prestam-se homenagens a um escritor e a um país. Neste ano, todas as homenagens foram para Lygia Fagundes Telles, membro da Academia Brasileira de Letras e para a Colômbia, reconhecida como o país da Biblioteca. E de Gabriel Garcia Marquez, como não lembrar.

Educação é um processo que leva à formação e ao desenvolvimento intelectual, físico e moral de um ser humano, em todo seu potencial. Abrange o conhecimento, valores, crenças, costumes, tradições, linguagens e, sobretudo, a aquisição de uma identidade existencial e profissional. Tem a função de permitir ao ser humano sentir-se parte de um todo maior, de se desenvolver socialmente como indivíduo. De pertencer a um grupo, de fazer parte e de ser chamado cidadão.

Ora, sabemos que a Educação não acontece sem professores bem formados nem tampouco sem livros. O livro é uma das ferramentas fundamentais no processo educacional: ele reúne informações e, formalizando o conhecimento, é um veículo para perenizar a cultura de um povo. O livro é a ferramenta que pode mudar a vida de uma pessoa, que pode, por sua vez, mudar o mundo. E isto não é um clichê. Eventos como a Feira do Livro de Ribeirão Preto nos permitem pensar sobre o leitor e o escritor, os protagonistas no processo da leitura. A formação de leitores ocorre, essencialmente, em três ambientes: em família, na escola, nas bibliotecas, públicas e escolares, espaços de aprendizagem tanto quanto uma sala de aula. Sobretudo se considerarmos os recursos e as funções de uma biblioteca nos dias de hoje. A professora Marisa Lajolo escreveu que Borges se orgulhava mais dos livros que havia lido do que dos que escrevera.

Eu penso que a escola também desperta o escritor. No instante em que um aluno recebe um caderno, um lápis e um livro, suas primeiras ferramentas, nascem juntos, inseparáveis para sempre, leitor e escritor. Ao longo dos anos escolares, o aluno é leitor e escritor ao mesmo tempo; ler e escrever são processos de apreensão da realidade. Feliz a escola que enxerga e estimula o desenvolvimento dessas habilidades. É a escola que dá início à sua formação, ao despertar o interesse do aluno pela literatura, por ler e escrever, tão entrelaçados, que apreciar um, traz o desejo de conhecer o outro. Aliás, um grande desafio é constatar que muitos professores não tiveram, ou não têm intimidade com os livros. Se a escola deve formar leitores, ela deve, também, encontrar maneiras de estimular os professores a apreciarem a leitura. No SESI, por exemplo existem projetos voltados à formação de leitores, tais como o Literatura Viva, a Caixa de Cultura, o Inteligência.com e ainda, o Núcleo de Dramaturgia SESI British Council, para a formação de dramaturgos.

Assim, pensando num projeto educacional mais abrangente, na relevância do livro para o desenvolvimento pessoal e profissional e que o conhecimento construído deve ser compartilhado, lançamos em 2012, as editoras SESI E SENAI, porque nós também acreditamos que livros transformam o mundo. Até agora, são cerca de 600 títulos publicados, 06 Prêmios Jabuti e 16 livros apontados como altamente recomendados pela Fundação Nacional do Livro Infanto-Juvenil.

O SESI e o SENAI, assim como a Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, são a representação, a síntese de ferramentas maravilhosas inventadas pelo homem: a linguagem, a escrita e o livro, sem as quais a educação não se concretizaria. Como educadores, devemos estimular nossos alunos à leitura, permitir que eles descubram, e quem sabe um dia, escrevam a própria história ou outras histórias. A educação formal, desde a alfabetização, e mesmo a informal, não seriam possíveis sem os livros.

As pessoas dizem que não tem tempo para ler, mas amar e ler a gente rouba do cotidiano. Infelizmente, não conheço o autor desta frase, a quem certamente renderia meus tributos! E como é bom roubar tempo para os bons livros!

Walter Vicioni Gonçalves

Superintendente do SESI-SP e Diretor Regional do SENAI-SP

Sobre

Walter Vicioni é diretor regional do SENAI-SP, superintendente do SESI-SP e membro do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.


Saiba mais sobre
Walter Vicioni Gonçalves

Redes Sociais

Deixe o seu comentário!