OBRIGADO.

Seu cadastro foi realizado com sucesso.

    Inscrição no blog

    Cadastre-se para receber noticias e novidades sobre o Professor Walter Vicioni Gonçalves, diretamente em seu email.



Blog do Professor Walter Vicioni Gonçalves

Educação

Chega de missões impossíveis na educação

Convido à leitura do meu mais novo artigo:

sala-escola-particular-original4-e1468623204586Um dos grandes problemas dos governantes e planejadores de políticas públicas no Brasil é a contínua proposta de projetos grandiosos, inexequíveis ou fadados a serem interrompidos por falta de recursos.  Com irritante repetição, os projetos que conseguem ser implantados não atingem os objetivos e as metas propostas.

Em 1971, a Lei 5.692 implantou a profissionalização compulsória no 2º grau, hoje denominado ensino médio. A oferta das habilitações profissionais era obrigatória e deveria estar atrelada às necessidades do mercado de trabalho.

A lei foi implantada em âmbito nacional, descolada realidade. O educador Durmeval Trigueiro Mendes, ao analisar a elaboração de planos educacionais nos anos 1960 e 1970, conclui que “os tecnocratas misturam facilmente as duas tendências: a de planejar com facilidade e a de impor com facilidade; ou seja, a de formular a ordem e a de torná-la imperativa segundo as exigências de uma racionalidade desembaraçada dos empecilhos do real.”

O resultado da mencionada lei foi a banalização da profissionalização, adaptando as habilitações aos recursos disponíveis, na maioria dos casos sala de aula, giz e lousa. Houve sucessivos remendos à lei, até que outra a substituiu. Continue lendo…

11
fev 2017
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Convido à leitura do meu mais novo artigo:Um dos grandes problemas dos governantes e planejadores de políticas públicas no Brasil é a contínua proposta de projetos grandiosos, inexequíveis ou fadados a serem interrompidos por falta de recursos.  Com irritante repetição, os projetos que conseguem ser implantados não atingem os objetivos e as metas propostas.Em 1971, a Lei 5.692 implantou a profissionalização compulsória no 2º grau, hoje denominado ensino médio. A oferta das habilitações profissionais era obrigatória e deveria estar atrelada às necessidades do mercado de trabalho.A lei foi implantada em âmbito nacional, descolada realidade. O educador Durmeval Trigueiro Mendes, ao analisar a elaboração de planos educacionais nos anos 1960 e 1970, conclui que “os tecnocratas misturam facilmente as duas tendências: a de planejar com facilidade e a de impor com facilidade; ou seja, a de formular a ordem e a de torná-la imperativa segundo as exigências de uma racionalidade desembaraçada dos empecilhos do real.”O resultado da mencionada lei foi a banalização da profissionalização, adaptando as habilitações aos recursos disponíveis, na maioria dos casos sala de aula, giz e lousa. Houve sucessivos remendos à lei, até que outra a substituiu. (mais…)

MEC para quê?

Artigo – Walter Vicioni Gonçalves

educacao-2

 

A educação nacional encontra-se em persistente e grave crise. Para agravar esse quadro, três problemas tornam-se cada vez mais preocupantes. Um deles refere-se ao acúmulo e ampliação das funções do Ministério de Educação (MEC), em aparelhamento que reproduz e justifica um perverso centralismo burocratizante. Outro problema sério é o descolamento da política educacional em relação às demais políticas públicas, especialmente as econômicas. Além disso, é preciso promover uma profunda mudança na anacrônica organização da educação nacional.

Um balanço da educação pública em 1932 – encaixado como luva nos dias atuais – mostrava que “dissociadas sempre as reformas econômicas e educacionais, que era indispensável entrelaçar e encadear, dirigindo-as no mesmo sentido, todos os nossos esforços, sem unidade de plano e sem espírito de continuidade, não lograram ainda criar um sistema de organização escolar, à altura das necessidades modernas e das necessidades do país. Tudo fragmentado e desarticulado” (grifos nossos). Continue lendo…

23
set 2016
COMENTÁRIOS 1
COMPARTILHAR
Artigo – Walter Vicioni Gonçalves A educação nacional encontra-se em persistente e grave crise. Para agravar esse quadro, três problemas tornam-se cada vez mais preocupantes. Um deles refere-se ao acúmulo e ampliação das funções do Ministério de Educação (MEC), em aparelhamento que reproduz e justifica um perverso centralismo burocratizante. Outro problema sério é o descolamento da política educacional em relação às demais políticas públicas, especialmente as econômicas. Além disso, é preciso promover uma profunda mudança na anacrônica organização da educação nacional.Um balanço da educação pública em 1932 – encaixado como luva nos dias atuais – mostrava que “dissociadas sempre as reformas econômicas e educacionais, que era indispensável entrelaçar e encadear, dirigindo-as no mesmo sentido, todos os nossos esforços, sem unidade de plano e sem espírito de continuidade, não lograram ainda criar um sistema de organização escolar, à altura das necessidades modernas e das necessidades do país. Tudo fragmentado e desarticulado” (grifos nossos). (mais…)

SENAI-SP e MIT estudam parcerias nas áreas da educação profissional e inovação

MIT

Dentre os meus compromissos de trabalho de hoje, 18/05, destaco a nossa reunião com a diretora-executiva do Industrial Performance Center – Massachusetts Institute of Technology (MIT), Elisabeth Reynolds, para estreitarmos as relações entre as instituições, visando parcerias futuras nas áreas de educação profissional e inovação tecnológica.

O MIT está entre as melhores universidades do mundo por sua pesquisa e educação na ciências físicas e engenharia.

18
mai 2016
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Dentre os meus compromissos de trabalho de hoje, 18/05, destaco a nossa reunião com a diretora-executiva do Industrial Performance Center – Massachusetts Institute of Technology (MIT), Elisabeth Reynolds, para estreitarmos as relações entre as instituições, visando parcerias futuras nas áreas de educação profissional e inovação tecnológica.O MIT está entre as melhores universidades do mundo por sua pesquisa e educação na ciências físicas e engenharia.

Opinião sobre matéria da Folha de S.Paulo- Ensino técnico no país é muito ‘acadêmico’

Jornal 1

Referente à matéria acima publicada no jornal Folha de S.Paulo, em 8/5/2016, faço questão de esclarecer que o diferencial do SENAI, em relação ao academicismo das redes públicas de ensino técnico, é a sua “engenharia pedagógica”, em que o aluno “aprende fazendo”. Continue lendo…

11
mai 2016
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Referente à matéria acima publicada no jornal Folha de S.Paulo, em 8/5/2016, faço questão de esclarecer que o diferencial do SENAI, em relação ao academicismo das redes públicas de ensino técnico, é a sua “engenharia pedagógica”, em que o aluno “aprende fazendo”. (mais…)

Reunião de trabalho com representantes da Universidade da Holanda

Haia

Mais uma reunião de trabalho entre a nossa equipe do SENAI-SP e a comitiva da The Hague University, da Holanda, foi realizada, na quinta-feira, 10/05, para darmos continuidade ao acordo de cooperação técnica assinado, em agosto do ano passado, visando a internacionalização das Faculdades SENAI-SP.

Fico muito feliz em receber a comitiva holandesa e um dos motivos é o reconhecimento que eles têm pelo trabalho executado pelo SENAI-SP para o aperfeiçoamento da educação profissional. Sendo assim, vamos muito além de parcerias, também cultivamos amizades.

10
mai 2016
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Mais uma reunião de trabalho entre a nossa equipe do SENAI-SP e a comitiva da The Hague University, da Holanda, foi realizada, na quinta-feira, 10/05, para darmos continuidade ao acordo de cooperação técnica assinado, em agosto do ano passado, visando a internacionalização das Faculdades SENAI-SP.Fico muito feliz em receber a comitiva holandesa e um dos motivos é o reconhecimento que eles têm pelo trabalho executado pelo SENAI-SP para o aperfeiçoamento da educação profissional. Sendo assim, vamos muito além de parcerias, também cultivamos amizades.

Opinião – Jabuti ou bode?

Leiam a minha opinião sobre o artigo “Educação e a agenda de um novo governo” de autoria de João Batista Araújo e Oliveira, publicado no jornal Folha de S. Paulo, no dia 26/04/2016, na coluna de Tendências e Debates.

Jabuti ou bode?

O senhor João Batista Araújo e Oliveira é profissional de carreira brilhante e de pensamento crítico respeitável em matéria de educação. Frequentemente, a Folha lhe concede espaço na página “Tendências e debates”. É plenamente justificada e humana a sua meteórica e desastrada passagem pela Secretaria Executiva do MEC em 1995.

Em artigo recente – “Educação e a agenda de um novo governo”, Folha de S. Paulo, 26/04/2016, p. A3 – ele realmente “pisou na bola”. O texto, em seu conjunto, não é um primor de consistência. São “pílulas” esparsas lançadas sem qualquer fundamentação. Uma delas, em especial, assemelha-se aos “jabutis” nos projetos de lei no Congresso Nacional.

Afirma, secamente, que “É fundamental também realizar uma profunda revisão do ensino médio, canalizando recursos do Sistema S para seu financiamento…”. Nada mais é dito para explicar essa estroinice. Tal como o quelônio na atividade parlamentar, trata-se de ideia que ou simplesmente está “pegando carona” ou não teria a menor chance de ser aceita se apresentada isoladamente.

Ora, ainda que o Sistema S tenha problemas, todos perfeitamente sanáveis, é voz corrente que são instituições que, nesse mar de ineficiência e de incompetência que assola o país, funcionam bem e atendem adequadamente aos interesses dos setores produtivos e da população. É muito estranho e surpreendente que o senhor João Batista, conhecedor dessas instituições, proponha medida tão maléfica e irracional.

Uma interpretação menos bondosa diria que se trata de sinalizar uma ameaça, a exemplo do “bode” no recinto humano, para ser chamado (o autor da ameaça) a retirar o animal, sem maus tratos e sem vestígios. Obviamente, tarefa dessa natureza requer trabalho especializado e bem pago…

4
mai 2016
CATEGORIA
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Leiam a minha opinião sobre o artigo “Educação e a agenda de um novo governo” de autoria de João Batista Araújo e Oliveira, publicado no jornal Folha de S. Paulo, no dia 26/04/2016, na coluna de Tendências e Debates.Jabuti ou bode?O senhor João Batista Araújo e Oliveira é profissional de carreira brilhante e de pensamento crítico respeitável em matéria de educação. Frequentemente, a Folha lhe concede espaço na página “Tendências e debates”. É plenamente justificada e humana a sua meteórica e desastrada passagem pela Secretaria Executiva do MEC em 1995.Em artigo recente – “Educação e a agenda de um novo governo”, Folha de S. Paulo, 26/04/2016, p. A3 – ele realmente “pisou na bola”. O texto, em seu conjunto, não é um primor de consistência. São “pílulas” esparsas lançadas sem qualquer fundamentação. Uma delas, em especial, assemelha-se aos “jabutis” nos projetos de lei no Congresso Nacional.Afirma, secamente, que “É fundamental também realizar uma profunda revisão do ensino médio, canalizando recursos do Sistema S para seu financiamento…”. Nada mais é dito para explicar essa estroinice. Tal como o quelônio na atividade parlamentar, trata-se de ideia que ou simplesmente está “pegando carona” ou não teria a menor chance de ser aceita se apresentada isoladamente.Ora, ainda que o Sistema S tenha problemas, todos perfeitamente sanáveis, é voz corrente que são instituições que, nesse mar de ineficiência e de incompetência que assola o país, funcionam bem e atendem adequadamente aos interesses dos setores produtivos e da população. É muito estranho e surpreendente que o senhor João Batista, conhecedor dessas instituições, proponha medida tão maléfica e irracional.Uma interpretação menos bondosa diria que se trata de sinalizar uma ameaça, a exemplo do “bode” no recinto humano, para ser chamado (o autor da ameaça) a retirar o animal, sem maus tratos e sem vestígios. Obviamente, tarefa dessa natureza requer trabalho especializado e bem pago…

Times da Robótica SESI-SP entre os nove melhores do mundo

 

SESI St Louis

Posso afirmar que a família SESI-SP está muito feliz com as conquistas da Robótica SESI no FLL World Festival 2016, maior competição de robótica do mundo, realizado de 27/04 a 30/04, em St. Louis. As nossas equipes SESI Red Rabbit, de Americana e SESI Jedi’s, de Jundiaí, ficaram com o 1º lugar em Trabalho em Equipe e o 3º lugar em Programação, respectivamente. Os nossos dois times estão entre as nove melhores equipes do mundo.

2
mai 2016
CATEGORIA
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
 Posso afirmar que a família SESI-SP está muito feliz com as conquistas da Robótica SESI no FLL World Festival 2016, maior competição de robótica do mundo, realizado de 27/04 a 30/04, em St. Louis. As nossas equipes SESI Red Rabbit, de Americana e SESI Jedi’s, de Jundiaí, ficaram com o 1º lugar em Trabalho em Equipe e o 3º lugar em Programação, respectivamente. Os nossos dois times estão entre as nove melhores equipes do mundo.

SENAI-SP vai ampliar certificação de pessoas para setor da construção civil

SINTRACON

Assinamos, hoje 25/04, o protocolo de intenções entre a FIESP, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo (Sintracon-SP), em que o SENAI-SP vai executar a certificação profissional de pessoas nessa área, visando ampliar os conceitos de segurança do trabalho para que haja redução do fator previdenciário de acidentes às indústrias.

25
abr 2016
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Assinamos, hoje 25/04, o protocolo de intenções entre a FIESP, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo (Sintracon-SP), em que o SENAI-SP vai executar a certificação profissional de pessoas nessa área, visando ampliar os conceitos de segurança do trabalho para que haja redução do fator previdenciário de acidentes às indústrias.

Aluna do SENAI-SP vence concurso mundial de design

Larissa

Mais uma aluna do SENAI-SP teve seu trabalho reconhecido pelo mérito de fazer bem feito. Larissa Moreira Antonio, da Escola SENAI de Bauru, foi a grande vencedora da Design Competition, concurso promovido pela empresa Sinapse, fabricante de softwares para a indústria gráfica com sede na França. Ela superou estudantes de nível técnico e superior da área matriculados em 30 instituições no mundo inteiro.

Outra conquista recente de Larissa foi o ouro durante o torneio de educação profissionalizante, São Paulo Skills 2016, na área de Design Gráfico.

Parabéns!

16
abr 2016
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Mais uma aluna do SENAI-SP teve seu trabalho reconhecido pelo mérito de fazer bem feito. Larissa Moreira Antonio, da Escola SENAI de Bauru, foi a grande vencedora da Design Competition, concurso promovido pela empresa Sinapse, fabricante de softwares para a indústria gráfica com sede na França. Ela superou estudantes de nível técnico e superior da área matriculados em 30 instituições no mundo inteiro.Outra conquista recente de Larissa foi o ouro durante o torneio de educação profissionalizante, São Paulo Skills 2016, na área de Design Gráfico.Parabéns!
12
abr 2016
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR

Sobre

Walter Vicioni é diretor regional do SENAI-SP, superintendente do SESI-SP e membro do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.


Saiba mais sobre
Walter Vicioni Gonçalves

Redes Sociais