OBRIGADO.

Seu cadastro foi realizado com sucesso.

    Inscrição no blog

    Cadastre-se para receber noticias e novidades sobre o Professor Walter Vicioni Gonçalves, diretamente em seu email.



Blog do Professor Walter Vicioni Gonçalves

Ensino Superior

Chega de missões impossíveis na educação

Convido à leitura do meu mais novo artigo:

sala-escola-particular-original4-e1468623204586Um dos grandes problemas dos governantes e planejadores de políticas públicas no Brasil é a contínua proposta de projetos grandiosos, inexequíveis ou fadados a serem interrompidos por falta de recursos.  Com irritante repetição, os projetos que conseguem ser implantados não atingem os objetivos e as metas propostas.

Em 1971, a Lei 5.692 implantou a profissionalização compulsória no 2º grau, hoje denominado ensino médio. A oferta das habilitações profissionais era obrigatória e deveria estar atrelada às necessidades do mercado de trabalho.

A lei foi implantada em âmbito nacional, descolada realidade. O educador Durmeval Trigueiro Mendes, ao analisar a elaboração de planos educacionais nos anos 1960 e 1970, conclui que “os tecnocratas misturam facilmente as duas tendências: a de planejar com facilidade e a de impor com facilidade; ou seja, a de formular a ordem e a de torná-la imperativa segundo as exigências de uma racionalidade desembaraçada dos empecilhos do real.”

O resultado da mencionada lei foi a banalização da profissionalização, adaptando as habilitações aos recursos disponíveis, na maioria dos casos sala de aula, giz e lousa. Houve sucessivos remendos à lei, até que outra a substituiu. Continue lendo…

11
fev 2017
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Convido à leitura do meu mais novo artigo:Um dos grandes problemas dos governantes e planejadores de políticas públicas no Brasil é a contínua proposta de projetos grandiosos, inexequíveis ou fadados a serem interrompidos por falta de recursos.  Com irritante repetição, os projetos que conseguem ser implantados não atingem os objetivos e as metas propostas.Em 1971, a Lei 5.692 implantou a profissionalização compulsória no 2º grau, hoje denominado ensino médio. A oferta das habilitações profissionais era obrigatória e deveria estar atrelada às necessidades do mercado de trabalho.A lei foi implantada em âmbito nacional, descolada realidade. O educador Durmeval Trigueiro Mendes, ao analisar a elaboração de planos educacionais nos anos 1960 e 1970, conclui que “os tecnocratas misturam facilmente as duas tendências: a de planejar com facilidade e a de impor com facilidade; ou seja, a de formular a ordem e a de torná-la imperativa segundo as exigências de uma racionalidade desembaraçada dos empecilhos do real.”O resultado da mencionada lei foi a banalização da profissionalização, adaptando as habilitações aos recursos disponíveis, na maioria dos casos sala de aula, giz e lousa. Houve sucessivos remendos à lei, até que outra a substituiu. (mais…)

Ministra da Educação da Finlândia visita Escola do SESI da Vila Leopoldina

Finlândia 1

Hoje, 30/03, estivemos com a ministra da Educação e Cultura da Finlândia, Sanni Grahn e sua comitiva, na nossa unidade do SESI-SP da Vila Leopoldina para estreitarmos contatos que possam resultar em acordos de cooperação tecnológica e, principalmente, quanto à formação de professores, proposta que vem ao encontro com a Faculdade SESI de Educação.

O ensino finlandês é uma das referências mundiais em qualidade da educação e se destaca pela igualdade na educação, alta qualificação de professores e por constantemente repensar seu currículo escolar.

30
mar 2016
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Hoje, 30/03, estivemos com a ministra da Educação e Cultura da Finlândia, Sanni Grahn e sua comitiva, na nossa unidade do SESI-SP da Vila Leopoldina para estreitarmos contatos que possam resultar em acordos de cooperação tecnológica e, principalmente, quanto à formação de professores, proposta que vem ao encontro com a Faculdade SESI de Educação.O ensino finlandês é uma das referências mundiais em qualidade da educação e se destaca pela igualdade na educação, alta qualificação de professores e por constantemente repensar seu currículo escolar.

Intercâmbio e internacionalização das faculdades do SENAI-SP

Holanda 2

A noite de 14/08 ficará para a história do SENAI-SP. Os entendimentos e diálogo que mantivemos com o Ministério de Educação, Cultura e Ciência da Holanda e entidades educacionais daquele país, ao longo desse ano, se concretizaram em cooperação para o intercâmbio dos nossos alunos e professores e ainda para a troca de conhecimentos nas áreas de Inovação e Tecnologia. Com as parcerias, objetivamos a internacionalização de nossas faculdades.

14
ago 2015
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
A noite de 14/08 ficará para a história do SENAI-SP. Os entendimentos e diálogo que mantivemos com o Ministério de Educação, Cultura e Ciência da Holanda e entidades educacionais daquele país, ao longo desse ano, se concretizaram em cooperação para o intercâmbio dos nossos alunos e professores e ainda para a troca de conhecimentos nas áreas de Inovação e Tecnologia. Com as parcerias, objetivamos a internacionalização de nossas faculdades.

“Vamos começar a mudar a formação de professores no Brasil”, afirma superintendente do SESI-SP

Concedi entrevista ao Portal Universia Brasil sobre o projeto inédito da Faculdade SESI-SP. Leiam.

“Vamos começar a mudar a formação de professores no Brasil”, afirma superintendente do SESI-SP

 A faculdade SESI-SP oferecerá cursos focados na Licenciatura, e não no Bacharelado, e terá a primeira turma já em 2016, segundo Walter Vicioni

universiaNo Estado de São Paulo, o SESI é conhecido por ter uma rede de ensino com pouco mais de 170 escolas, que oferecem cursos em modalidades que vão desde a Educação Infantil até a Educação Profissional Técnica. No dia 14 de julho, porém, o Ministério da Educação homologou a criação da faculdade SESI-SP para três cursos: Linguagens, Ciências da Natureza e Ciências Humanas, ampliando a atuação do serviço na formação dos estudantes paulistas.

Segundo o superintendente estadual Walter Vicioni, o projeto – que demorou aproximadamente três anos para ser elaborado e aprovado –, tem como objetivo formar professores para a Educação Básica e, por isso, os cursos têm foco na Licenciatura e não no Bacharelado. “A faculdade não vai formar professores de Física, Biologia ou Química. Ela formará um professor que vai trabalhar com os conteúdos de Ciências da Natureza”, afirma Vicioni, que aponta o fato de o próprio currículo do SESI ser organizado também por áreas como razão para esta escolha. Continue lendo…

27
jul 2015
COMENTÁRIOS 2
COMPARTILHAR
Concedi entrevista ao Portal Universia Brasil sobre o projeto inédito da Faculdade SESI-SP. Leiam.“Vamos começar a mudar a formação de professores no Brasil”, afirma superintendente do SESI-SP A faculdade SESI-SP oferecerá cursos focados na Licenciatura, e não no Bacharelado, e terá a primeira turma já em 2016, segundo Walter VicioniNo Estado de São Paulo, o SESI é conhecido por ter uma rede de ensino com pouco mais de 170 escolas, que oferecem cursos em modalidades que vão desde a Educação Infantil até a Educação Profissional Técnica. No dia 14 de julho, porém, o Ministério da Educação homologou a criação da faculdade SESI-SP para três cursos: Linguagens, Ciências da Natureza e Ciências Humanas, ampliando a atuação do serviço na formação dos estudantes paulistas.Segundo o superintendente estadual Walter Vicioni, o projeto – que demorou aproximadamente três anos para ser elaborado e aprovado –, tem como objetivo formar professores para a Educação Básica e, por isso, os cursos têm foco na Licenciatura e não no Bacharelado. “A faculdade não vai formar professores de Física, Biologia ou Química. Ela formará um professor que vai trabalhar com os conteúdos de Ciências da Natureza”, afirma Vicioni, que aponta o fato de o próprio currículo do SESI ser organizado também por áreas como razão para esta escolha. (mais…)

Formatura do MBA em Gestão Empreendedora – Autonomia da escola

Finalizei o meu pronunciamento aos diretores de Escolas do SESI e da rede estadual de ensino, na solenidade de Formatura da terceira turma do MBA em Gestão Empreendedora, falando sobre a autonomia da escola. Cada escola deve ser única.

24
nov 2014
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Finalizei o meu pronunciamento aos diretores de Escolas do SESI e da rede estadual de ensino, na solenidade de Formatura da terceira turma do MBA em Gestão Empreendedora, falando sobre a autonomia da escola. Cada escola deve ser única.

Formatura do MBA em Gestão Empreendedora – Permanência do aluno na escola

Outro ponto destacado por mim aos formandos da terceira turma do Curso MBA em Gestão Empreendedora, com ênfase em Educação, tratou da permanência do aluno na escola. Confiram o vídeo.

23
nov 2014
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Outro ponto destacado por mim aos formandos da terceira turma do Curso MBA em Gestão Empreendedora, com ênfase em Educação, tratou da permanência do aluno na escola. Confiram o vídeo.

Formatura MBA em Gestão Empreendedora – Reconhecimento do professor

Acompanhem um dos trechos do meu pronunciamento durante a solenidade de Formatura da terceira turma do Curso MBA em Gestão Empreendedora, com ênfase em Educação, realizada no Teatro do SESI-SP, no dia 18 de novembro de 2014. A meta é capacitar até 3.200 profissionais de educação, até 2017.

22
nov 2014
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Acompanhem um dos trechos do meu pronunciamento durante a solenidade de Formatura da terceira turma do Curso MBA em Gestão Empreendedora, com ênfase em Educação, realizada no Teatro do SESI-SP, no dia 18 de novembro de 2014. A meta é capacitar até 3.200 profissionais de educação, até 2017.
21
nov 2014
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Parabéns aos formandos! 

Por uma ética na educação

Artigo publicado na Revista do Projeto Pedagógico 2014 – Diretor Udemo  –  Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado de São Paulo

Hoje em dia, a educação brasileira tem desacertos e contradições que a nossa vã filosofia não consegue compreender, parafraseando o celebrado bardo inglês 

udemoHouve época, até a década de 60 do século passado, em que a escola pública era de boa qualidade e reservada para poucos. Com atraso em relação a outros países também em desenvolvimento, foi iniciado, então, um processo irreversível de democratização do ensino, chegando, atualmente, ao atendimento de 98% da população em idade de ensino fundamental. Uma consequência da expansão da oferta de vagas, sem prévia formação e valorização dos profissionais da educação e de adequação da base física, foi a queda da qualidade do ensino público. As elites da sociedade brasileira passaram, então, a utilizar-se de instituições privadas de ensino, capazes de proporcionar formação suficiente para assegurar, ao término do ensino médio, ingresso nas melhores universidades públicas.

Surge, assim, um perverso contrassenso: os pobres (também nomeados pelo ridículo eufemismo “populações economicamente vulneráveis”) frequentam a escola básica gratuita e só conseguem ingressar, quando conseguem, no ensino superior pago; os ricos pagam por educação básica de boa qualidade e ingressam nas universidades gratuitas. Recentemente, as políticas de cotas para egressos de escolas públicas e para outros segmentos discriminados da população buscam amenizar tais distorções.    Continue lendo…

2
jun 2014
COMENTÁRIOS 19
COMPARTILHAR
Artigo publicado na Revista do Projeto Pedagógico 2014 – Diretor Udemo  –  Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado de São PauloHoje em dia, a educação brasileira tem desacertos e contradições que a nossa vã filosofia não consegue compreender, parafraseando o celebrado bardo inglês Houve época, até a década de 60 do século passado, em que a escola pública era de boa qualidade e reservada para poucos. Com atraso em relação a outros países também em desenvolvimento, foi iniciado, então, um processo irreversível de democratização do ensino, chegando, atualmente, ao atendimento de 98% da população em idade de ensino fundamental. Uma consequência da expansão da oferta de vagas, sem prévia formação e valorização dos profissionais da educação e de adequação da base física, foi a queda da qualidade do ensino público. As elites da sociedade brasileira passaram, então, a utilizar-se de instituições privadas de ensino, capazes de proporcionar formação suficiente para assegurar, ao término do ensino médio, ingresso nas melhores universidades públicas.Surge, assim, um perverso contrassenso: os pobres (também nomeados pelo ridículo eufemismo “populações economicamente vulneráveis”) frequentam a escola básica gratuita e só conseguem ingressar, quando conseguem, no ensino superior pago; os ricos pagam por educação básica de boa qualidade e ingressam nas universidades gratuitas. Recentemente, as políticas de cotas para egressos de escolas públicas e para outros segmentos discriminados da população buscam amenizar tais distorções.    (mais…)

Conferência sobre Ensino Superior na América Latina

~1815112

Aceitei o convite para participar da Conferência sobre Ensino Superior na América Latina “Higher Education in Latin America”, que será realizada pela Proparco (Groupe Agence Française de Développement) na próxima segunda-feira, 28 de abril, em São Paulo. Continue lendo…

23
abr 2014
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Aceitei o convite para participar da Conferência sobre Ensino Superior na América Latina “Higher Education in Latin America”, que será realizada pela Proparco (Groupe Agence Française de Développement) na próxima segunda-feira, 28 de abril, em São Paulo. (mais…)

Sobre

Walter Vicioni é diretor regional do SENAI-SP, superintendente do SESI-SP e membro do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.


Saiba mais sobre
Walter Vicioni Gonçalves

Redes Sociais