OBRIGADO.

Seu cadastro foi realizado com sucesso.

    Inscrição no blog

    Cadastre-se para receber noticias e novidades sobre o Professor Walter Vicioni Gonçalves, diretamente em seu email.



OBRIGADO.

Seu cadastro foi realizado com sucesso.

    Inscrição no blog

    Cadastre-se para receber noticias e novidades sobre o Professor Walter Vicioni Gonçalves, diretamente em seu email.



Blog do Professor Walter Vicioni Gonçalves

Mais um importante dia de compromisso com a Educação

Amanhã, sexta-feira, dia 1º de março, é dia de inaugurar mais uma nova escola, dessa vez em Mococa, junto com o presidente da FIESP/SESI, Paulo Skaf. Com a nova infraestrutura, os alunos passam a estudar em tempo integral. 

28
fev 2013
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
Amanhã, sexta-feira, dia 1º de março, é dia de inaugurar mais uma nova escola, dessa vez em Mococa, junto com o presidente da FIESP/SESI, Paulo Skaf. Com a nova infraestrutura, os alunos passam a estudar em tempo integral. 

Nem tanto ao mar, nem tanto à terra

Publicado na Revista Abigraf – Edição 263 – Fevereiro de 2013

Em 13 de maio de 1888, a Lei Áurea aboliu oficialmente o trabalho es­cravo no Brasil. Porém, os valores e os costumes não são modificados por de­cretos ou leis. É um processo de mudança que se estende por um bom tempo, maior ou menor, na dependência de políticas pú­blicas e das demandas da sociedade e dos setores econômicos. Assim, o preconceito em relação ao trabalho manual, caracterís­tico da escravidão, permaneceu. E a prepa­ração para ocupações manuais continuou a ser vista como destinada aos filhos dos ou­tros. Nesse sentido, o decreto de 1909, que criou Escolas de Aprendizes Artífices, con­siderou necessário “não só habilitar os fi­lhos dos desfavorecidos da fortuna com o in­dispensável preparo técnico e intelectual, como fazê- os adquirir hábitos de trabalho pro­fícuo, que os afastarão da ociosidade ignorante, escola do vício e do crime”.

Mas, em especial na década de 1940, a indústria precisou produzir o que outros países não podiam mais vender para o Bra­sil, em consequência da guerra. A pressão dessa indústria para contar com trabalha­dores qualificados fez que o poder públi­co oficializasse, em 1942, a criação do Se­nai e tomasse ainda outras medidas para a expansão do ensino industrial.

Durante as décadas seguintes, o en­sino profissional industrial manteve-se à margem do sistema educacional brasileiro, como um “patinho feio” tolerado e aceito como uma estrutura paralela. Os ginásios industriais públicos minguaram e prati­camente desapareceram. O Senai cresceu e foi um dos esteios para a ampliação, di­versificação e modernização da indústria. Leia Mais…

26
fev 2013
COMENTÁRIOS 20
COMPARTILHAR
Publicado na Revista Abigraf – Edição 263 – Fevereiro de 2013Em 13 de maio de 1888, a Lei Áurea aboliu oficialmente o trabalho es­cravo no Brasil. Porém, os valores e os costumes não são modificados por de­cretos ou leis. É um processo de mudança que se estende por um bom tempo, maior ou menor, na dependência de políticas pú­blicas e das demandas da sociedade e dos setores econômicos. Assim, o preconceito em relação ao trabalho manual, caracterís­tico da escravidão, permaneceu. E a prepa­ração para ocupações manuais continuou a ser vista como destinada aos filhos dos ou­tros. Nesse sentido, o decreto de 1909, que criou Escolas de Aprendizes Artífices, con­siderou necessário “não só habilitar os fi­lhos dos desfavorecidos da fortuna com o in­dispensável preparo técnico e intelectual, como fazê- os adquirir hábitos de trabalho pro­fícuo, que os afastarão da ociosidade ignorante, escola do vício e do crime”.Mas, em especial na década de 1940, a indústria precisou produzir o que outros países não podiam mais vender para o Bra­sil, em consequência da guerra. A pressão dessa indústria para contar com trabalha­dores qualificados fez que o poder públi­co oficializasse, em 1942, a criação do Se­nai e tomasse ainda outras medidas para a expansão do ensino industrial.Durante as décadas seguintes, o en­sino profissional industrial manteve-se à margem do sistema educacional brasileiro, como um “patinho feio” tolerado e aceito como uma estrutura paralela. Os ginásios industriais públicos minguaram e prati­camente desapareceram. O Senai cresceu e foi um dos esteios para a ampliação, di­versificação e modernização da indústria. (mais…)

SESI-SP inaugura mais uma nova escola no Estado

Na última sexta-feira, dia 22, acompanhei Paulo Skaf, presidente da FIESP, do CIESP e do SESI-SP, num importante compromisso no extremo oeste paulista: fomos inaugurar a mais nova escola do SESI em Presidente Epitácio.

A nova unidade de ensino, que recebeu investimentos de cerca de R$ 9,3 milhões, é dotada de modernos laboratórios de ciência química e biológicas, ciências físicas, ciências e tecnologia, informática educacional, biblioteca com acervo atualizado, duas áreas de convivência e ambientes administrativos e pedagógicos amplos e confortáveis.

A maior novidade desta unidade é a criação do ensino em tempo integral, que está sendo implantado em toda a rede SESI-SP, permitindo que os alunos do fundamental permaneçam nos períodos da manhã e tarde na escola realizando vivências complementares de esporte, arte, cultura e tecnologia, além das refeições diárias compostas de café da manhã, almoço e lanche da tarde. Leia Mais…

26
fev 2013
COMENTÁRIOS 4
COMPARTILHAR
Na última sexta-feira, dia 22, acompanhei Paulo Skaf, presidente da FIESP, do CIESP e do SESI-SP, num importante compromisso no extremo oeste paulista: fomos inaugurar a mais nova escola do SESI em Presidente Epitácio.A nova unidade de ensino, que recebeu investimentos de cerca de R$ 9,3 milhões, é dotada de modernos laboratórios de ciência química e biológicas, ciências físicas, ciências e tecnologia, informática educacional, biblioteca com acervo atualizado, duas áreas de convivência e ambientes administrativos e pedagógicos amplos e confortáveis.A maior novidade desta unidade é a criação do ensino em tempo integral, que está sendo implantado em toda a rede SESI-SP, permitindo que os alunos do fundamental permaneçam nos períodos da manhã e tarde na escola realizando vivências complementares de esporte, arte, cultura e tecnologia, além das refeições diárias compostas de café da manhã, almoço e lanche da tarde. (mais…)

Frutos culturais de uma união

O SESI-SP acaba de encerrar a exposição “Fundição Artística no Brasil”, feita em parceria com o SENAI-SP. A mostra destacou a importância da preservação do patrimônio cultural brasileiro com enfoque na tecnologia da fundição artística e na capacitação de jovens profissionais. Foram apresentadas 20 obras museológicas de importantes acervos. Um belo trabalho que resultou também na publicação de um livro e de um catálogo sobre o tema. Conheça um pouco mais sobre os frutos dessa união:

A exposição Fundição Artística é resultado da união do SESI-SP e do SENAI-SP na área da cultura. Essa união reveste-se de um significado especial.

O SESI-SP tem uma longa tradição na área cultural. Produz e exibe montagens inéditas para os públicos adulto e infantil em seus teatros. O SESI-SP atua, também, na apresentação de espetáculos de dança e de música, em diferentes estilos. Destaca-se, ainda, na promoção de exposições, em especial as realizadas na sua Galeria de Arte. Em todas essas atividades, o foco é a ação educativa.

O SENAI-SP tem, como principais áreas de atuação, a qualificação de novos profissionais, a formação continuada dos trabalhadores e a prestação de serviços tecnológicos e implementação de ações inovadoras para a indústria.

As missões do SESI e do SENAI têm, em comum, um ponto fundamental: o desenvolvimento de pessoas. E, nesse sentido, é inquestionável a relação de ambos com a cultura. Leia Mais…

15
fev 2013
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
O SESI-SP acaba de encerrar a exposição “Fundição Artística no Brasil”, feita em parceria com o SENAI-SP. A mostra destacou a importância da preservação do patrimônio cultural brasileiro com enfoque na tecnologia da fundição artística e na capacitação de jovens profissionais. Foram apresentadas 20 obras museológicas de importantes acervos. Um belo trabalho que resultou também na publicação de um livro e de um catálogo sobre o tema. Conheça um pouco mais sobre os frutos dessa união:A exposição Fundição Artística é resultado da união do SESI-SP e do SENAI-SP na área da cultura. Essa união reveste-se de um significado especial.O SESI-SP tem uma longa tradição na área cultural. Produz e exibe montagens inéditas para os públicos adulto e infantil em seus teatros. O SESI-SP atua, também, na apresentação de espetáculos de dança e de música, em diferentes estilos. Destaca-se, ainda, na promoção de exposições, em especial as realizadas na sua Galeria de Arte. Em todas essas atividades, o foco é a ação educativa.O SENAI-SP tem, como principais áreas de atuação, a qualificação de novos profissionais, a formação continuada dos trabalhadores e a prestação de serviços tecnológicos e implementação de ações inovadoras para a indústria.As missões do SESI e do SENAI têm, em comum, um ponto fundamental: o desenvolvimento de pessoas. E, nesse sentido, é inquestionável a relação de ambos com a cultura. (mais…)

Ícone da educação profissionalizante, Senai completa 71 anos

 

Regional de São Paulo tem 164 escolas (90 fixas e 74 móveis). A Escola Roberto Simonsen (foto),
que fica no Brás, foi a primeira a ser inaugurada no Brasil.

Criado pelo presidente Getúlio Vargas, por meio do decreto-lei número 4.048, de 22 de janeiro de 1942, com a missão de organizar e administrar, em todo o país, escolas de aprendizagem para industriários, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) completa nesta terça-feira (22/01) exatos 71 anos de existência, com uma trajetória pautada pela excelência na educação e profissionalização de gerações de brasileiros.

“São 71 anos de serviços prestados ao país, formando pessoas”, destaca Paulo Skaf,  presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp) e do Senai-SP, lembrando que desde a sua criação o lema da entidade é o aprender fazendo. “As pessoas não ficam só na teoria, mas têm principalmente a parte prática. As escolas do Senai são verdadeiras fábricas, com laboratórios, máquinas, equipamentos.” Leia Mais…

31
jan 2013
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
 Regional de São Paulo tem 164 escolas (90 fixas e 74 móveis). A Escola Roberto Simonsen (foto),que fica no Brás, foi a primeira a ser inaugurada no Brasil.Criado pelo presidente Getúlio Vargas, por meio do decreto-lei número 4.048, de 22 de janeiro de 1942, com a missão de organizar e administrar, em todo o país, escolas de aprendizagem para industriários, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) completa nesta terça-feira (22/01) exatos 71 anos de existência, com uma trajetória pautada pela excelência na educação e profissionalização de gerações de brasileiros.“São 71 anos de serviços prestados ao país, formando pessoas”, destaca Paulo Skaf,  presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp) e do Senai-SP, lembrando que desde a sua criação o lema da entidade é o aprender fazendo. “As pessoas não ficam só na teoria, mas têm principalmente a parte prática. As escolas do Senai são verdadeiras fábricas, com laboratórios, máquinas, equipamentos.” (mais…)

Lançamento do livro “Fundição Artística”

Amanhã, dia 31 de janeiro, tem o lançamento oficial do livro “Fundição Artística”, produzido pela Editora SESI-SP. O evento será realizado na Pinacoteca do Estado de São Paulo, às 19 horas, e contará com palestra do artista plástico e professor Israel Kislansky.

Complementando o lançamento do livro, a Galeria de Arte do SESI-SP, na Avenida Paulista, apresenta até o dia 10 de fevereiro a mostra sobre o tema, que tem parceria do SENAI-SP. O objetivo da exposição é destacar a importância da preservação do patrimônio cultural brasileiro com enfoque na tecnologia da fundição artística e na capacitação de jovens profissionais.

A exposição apresenta 20 obras museológicas de importantes acervos, dentre eles peças da Pinacoteca do Estado de São Paulo e trabalhos que ilustram o processo de fundição, desenvolvidos por professores, alunos e técnicos da Escola SENAI Nadir Dias de Figueiredo, de Osasco, que mantém o Centro Técnico em Fundição Artística, núcleo de referência nesse setor.

Para entender um pouco mais do assunto, segue a apresentação que consta no livro, assinada por mim:

“Ao completar 70 anos de existência, o Senai-SP coleciona uma lista significativa de programas de educação profissional. Da aprendizagem industrial aos cursos superiores e de pós-graduação, a busca pela excelência na formação de mão de obra especializada para o desenvolvimento da indústria tem sido a grande motivação para uma constante atualização e modernização dos cursos oferecidos.

Em Osasco (SP), a Escola e Faculdade Senai Nadir Dias de Figueiredo é espe­cializada em metalurgia, e sedia o Centro Técnico em Fundição Artística, dedicado ao ensino e desenvolvimento da fundição aplicada às artes. Visa atender os mais diversos setores ligados à escultura em metal, que vão desde a indústria especiali­zada às entidades museológicas, educacionais e artísticas direta ou indiretamente envolvidas com a produção, conservação e fomento da fundição e produção ar­tística em metal. Leia Mais…

30
jan 2013
COMENTÁRIOS 1
COMPARTILHAR
Amanhã, dia 31 de janeiro, tem o lançamento oficial do livro “Fundição Artística”, produzido pela Editora SESI-SP. O evento será realizado na Pinacoteca do Estado de São Paulo, às 19 horas, e contará com palestra do artista plástico e professor Israel Kislansky.Complementando o lançamento do livro, a Galeria de Arte do SESI-SP, na Avenida Paulista, apresenta até o dia 10 de fevereiro a mostra sobre o tema, que tem parceria do SENAI-SP. O objetivo da exposição é destacar a importância da preservação do patrimônio cultural brasileiro com enfoque na tecnologia da fundição artística e na capacitação de jovens profissionais.A exposição apresenta 20 obras museológicas de importantes acervos, dentre eles peças da Pinacoteca do Estado de São Paulo e trabalhos que ilustram o processo de fundição, desenvolvidos por professores, alunos e técnicos da Escola SENAI Nadir Dias de Figueiredo, de Osasco, que mantém o Centro Técnico em Fundição Artística, núcleo de referência nesse setor.Para entender um pouco mais do assunto, segue a apresentação que consta no livro, assinada por mim:“Ao completar 70 anos de existência, o Senai-SP coleciona uma lista significativa de programas de educação profissional. Da aprendizagem industrial aos cursos superiores e de pós-graduação, a busca pela excelência na formação de mão de obra especializada para o desenvolvimento da indústria tem sido a grande motivação para uma constante atualização e modernização dos cursos oferecidos.Em Osasco (SP), a Escola e Faculdade Senai Nadir Dias de Figueiredo é espe­cializada em metalurgia, e sedia o Centro Técnico em Fundição Artística, dedicado ao ensino e desenvolvimento da fundição aplicada às artes. Visa atender os mais diversos setores ligados à escultura em metal, que vão desde a indústria especiali­zada às entidades museológicas, educacionais e artísticas direta ou indiretamente envolvidas com a produção, conservação e fomento da fundição e produção ar­tística em metal. (mais…)

Galeria Digital do SESI-SP cruzou fronteiras e foi notícia em “El País”

A matéria foi divulgada em 20 de dezembro de 2012 no jornal espanhol e está disponível também na versão web da página de Cultura

Fachadas como lienzos digitales

Por: Roberta Bosco y Stefano Caldana | 20 de diciembre de 2012

Durante todo el mes de diciembre el célebre edificio piramidal FIESP-SESI de la Avenida Paulista, conocida como el centro financiero de São Paulo en Brasil, será un escenario al aire libre y al mismo tiempo en un reclamo turístico, que llena las noches de la ciudad con luces y obras de arte en el espacio público.

La imponente fachada de este inmueble, inaugurado en 1979 para albergar la sede de la Federación de Industrias del Estado de São Paulo y el Servicio Social de la Industria (FIESP-SESI), se ha convertido en un lienzo digital, que acogerá hasta el 31 de diciembre la primera edición del SP_Urban Digital Festival, un evento que se enmarca en una tendencia internacional denominada Media Facade, que aprovecha la presencia de grandes espacios arquitectónicos para transformarlos en pantallas para la visualización de obras audiovisuales. Leia Mais…

10
jan 2013
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
A matéria foi divulgada em 20 de dezembro de 2012 no jornal espanhol e está disponível também na versão web da página de CulturaFachadas como lienzos digitalesPor: Roberta Bosco y Stefano Caldana | 20 de diciembre de 2012Durante todo el mes de diciembre el célebre edificio piramidal FIESP-SESI de la Avenida Paulista, conocida como el centro financiero de São Paulo en Brasil, será un escenario al aire libre y al mismo tiempo en un reclamo turístico, que llena las noches de la ciudad con luces y obras de arte en el espacio público.La imponente fachada de este inmueble, inaugurado en 1979 para albergar la sede de la Federación de Industrias del Estado de São Paulo y el Servicio Social de la Industria (FIESP-SESI), se ha convertido en un lienzo digital, que acogerá hasta el 31 de diciembre la primera edición del SP_Urban Digital Festival, un evento que se enmarca en una tendencia internacional denominada Media Facade, que aprovecha la presencia de grandes espacios arquitectónicos para transformarlos en pantallas para la visualización de obras audiovisuales. (mais…)

Dinheiro não educa

Análise feita pelo sociólogo,
professor emérito da USP,
José de Souza Martins e
divulgada em O Estado de S. Paulo,
em 30 de dezembro de 2012.    

O que sobrou da sala de aula

Reflexão para um tempo de altas apostas na educação: a praga
do economismo não distingue uma escola de uma fábrica de pregos

Já foi o tempo em que a educação fazia parte do cardápio de otimismos que se costuma apresentar nas passagens de ano. No último meio século, a educação pública e gratuita, que garantira a formação de grandes nomes e grandes competências nas várias profissões, que assegurara o grande salto da sociedade escravista à sociedade moderna, foi progressivamente diminuída e até injustamente satanizada em nome de interesses que não são os do bem comum. O estado de anomia em que se encontra a educação brasileira pede, sem dúvida, a reflexão crítica dos especialistas, mas uma crítica que a situe na trama própria de tendências problemáticas da modernidade sem rumo para que seja compreendida e superada. Leia Mais…

8
jan 2013
CATEGORIA
COMENTÁRIOS 4
COMPARTILHAR
Análise feita pelo sociólogo,professor emérito da USP,José de Souza Martins edivulgada em O Estado de S. Paulo,em 30 de dezembro de 2012.    O que sobrou da sala de aulaReflexão para um tempo de altas apostas na educação: a pragado economismo não distingue uma escola de uma fábrica de pregosJá foi o tempo em que a educação fazia parte do cardápio de otimismos que se costuma apresentar nas passagens de ano. No último meio século, a educação pública e gratuita, que garantira a formação de grandes nomes e grandes competências nas várias profissões, que assegurara o grande salto da sociedade escravista à sociedade moderna, foi progressivamente diminuída e até injustamente satanizada em nome de interesses que não são os do bem comum. O estado de anomia em que se encontra a educação brasileira pede, sem dúvida, a reflexão crítica dos especialistas, mas uma crítica que a situe na trama própria de tendências problemáticas da modernidade sem rumo para que seja compreendida e superada. (mais…)

Exposição sobre o processo de Fundição Artística no Brasil inicia no dia 17, no SESI-SP

O Centro Cultural FIESP – Ruth Cardoso promove de 17 de dezembro de 2012 a 10 de fevereiro de 2013 a exposição Fundição Artística no Brasil. A mostra, que tem parceria do SENAI-SP, tem como objetivo destacar a importância da preservação do patrimônio cultural brasileiro com enfoque na tecnologia da fundição artística e na capacitação de jovens profissionais.

Com curadoria de Gilberto Habib Oliveira, a mostra apresenta 20 obras museológicas de importantes acervos, dentre eles peças da Pinacoteca do Estado de São Paulo e trabalhos que ilustram o processo de fundição, desenvolvidos por professores, alunos e técnicos da Escola SENAI Nadir Dias de Figueiredo, de Osasco, que mantém o Centro Técnico em Fundição Artística, núcleo de referência nesse setor.

O processo de fundição artística pelo método de cera perdida, uma das técnicas ensinadas no Centro Técnico do SENAI de Osasco, é utilizado para a formação de jovens profissionais interessados em atuar no ramo da metalurgia artística. Leia Mais…

14
dez 2012
CATEGORIA
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
O Centro Cultural FIESP – Ruth Cardoso promove de 17 de dezembro de 2012 a 10 de fevereiro de 2013 a exposição Fundição Artística no Brasil. A mostra, que tem parceria do SENAI-SP, tem como objetivo destacar a importância da preservação do patrimônio cultural brasileiro com enfoque na tecnologia da fundição artística e na capacitação de jovens profissionais.Com curadoria de Gilberto Habib Oliveira, a mostra apresenta 20 obras museológicas de importantes acervos, dentre eles peças da Pinacoteca do Estado de São Paulo e trabalhos que ilustram o processo de fundição, desenvolvidos por professores, alunos e técnicos da Escola SENAI Nadir Dias de Figueiredo, de Osasco, que mantém o Centro Técnico em Fundição Artística, núcleo de referência nesse setor.O processo de fundição artística pelo método de cera perdida, uma das técnicas ensinadas no Centro Técnico do SENAI de Osasco, é utilizado para a formação de jovens profissionais interessados em atuar no ramo da metalurgia artística. (mais…)

Uma das atrações da Galeria de Arte do SESI ganha prêmio da Associação Paulista de Críticos de Artes

FONTE: Agência Indusnet Fiesp

Uma das fotografias que fazem parte da mostra

Os melhores espetáculos e manifestações artísticas do ano de 2012 foram escolhidos nesta segunda-feira (12/10) e receberão na próxima quarta-feira (19/12) o Prêmio APCA, da Associação Paulista de Críticos de Arte. “A exposição Observadores: fotógrafos da cena britânica desde 1930″ foi a premiada na categoria Artes Visuais / Fotografia. que esteve em exibição na Galeria de Arte do SESI, no Centro Cultural FIESP Ruth Cardoso, nos meses de setembro, outubro e novembro.

A exposição, que retrata o cotidiano e os costumes do povo britânico ao longo das décadas, é fruto da parceria do SESI SP e do British Council e fez parte da temporada UK Season (programação de atividades culturais e educativas do Reino Unido no Brasil).

O Prêmio também contemplou as melhores obras de  Arquitetura, Cinema, Dança, Literatura, Música Popular, Música Erudita, Rádio, Teatro, Teatro Infantil e Televisão.

 

14
dez 2012
CATEGORIA
COMENTÁRIOS 0
COMPARTILHAR
FONTE: Agência Indusnet FiespUma das fotografias que fazem parte da mostraOs melhores espetáculos e manifestações artísticas do ano de 2012 foram escolhidos nesta segunda-feira (12/10) e receberão na próxima quarta-feira (19/12) o Prêmio APCA, da Associação Paulista de Críticos de Arte. “A exposição Observadores: fotógrafos da cena britânica desde 1930″ foi a premiada na categoria Artes Visuais / Fotografia. que esteve em exibição na Galeria de Arte do SESI, no Centro Cultural FIESP Ruth Cardoso, nos meses de setembro, outubro e novembro.A exposição, que retrata o cotidiano e os costumes do povo britânico ao longo das décadas, é fruto da parceria do SESI SP e do British Council e fez parte da temporada UK Season (programação de atividades culturais e educativas do Reino Unido no Brasil).O Prêmio também contemplou as melhores obras de  Arquitetura, Cinema, Dança, Literatura, Música Popular, Música Erudita, Rádio, Teatro, Teatro Infantil e Televisão. 

Sobre

Walter Vicioni é diretor regional do SENAI-SP, superintendente do SESI-SP e membro do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.


Saiba mais sobre
Walter Vicioni Gonçalves

Redes Sociais